Pirei na Cenna: 24 anos de luta pelo direito à loucura

São 24 anos de lutas, de surtos cênicos, de delírios artísticos, de alucinações estéticas para ter o direito de exercitar a loucura de forma digna, respeitosa e cidadã.

Por Alessandro Conceição – Centro de Teatro do Oprimido, Rio de Janeiro
19/05/2021 – 22:00

São 24 anos de lutas, de surtos cênicos, de delírios artísticos, de alucinações estéticas para ter o direito de exercitar a loucura de forma digna, respeitosa e cidadã. São vinte quatro anos de luta antimanicomial por uma sociedade sem manicômio, por um tratamento mais humanizando na saúde mental e pela premissa do “cuidar sim, excluir não”. Parafraseando Augusto Boal “se artista pode ficar maluco; maluco pode virar artista”. E através da arte, da estética do Teatro do Oprimido o Grupo Pirei na Cenna existe, resiste e insiste em seguir por um mundo onde se possa exercer o direito à loucura sem estigmas e exclusões.

Teve gente do grupo que se foi, partiu para o outro plano, gente que passou pela gente e segue sua vida e gente que está. Gente como Claudia Simone Santos Oliveira que fez estágio em psicopedagogia, no Hospital Psiquiátrico de Jurujuba, em Niterói, em 1997, iniciou o caminho para o Pirei na Cenna celebrar o dia de hoje. Gente como Sérgio Lima que desde 1997, entre idas e vindas, segue firme e forte. Gente como Lúcia Aparecida, Wanderson Pacheco, Venâncio Fernandes, Mônica Medaglia, Eloana Gentil e tantas outras que virão para colaborar na busca por um mundo menos lúcido. A pandemia do coronavírus confirmou o que a gente do Pirei na Cenna já sabe a tempos: saúde mental é algo que afeta todas e todos nós. Não à toa os índices de ansiedade, depressão, síndrome do pânico e tantas outras aumenta cada vez mais na população. Justiça seja feita: não é só pelo coronavírus, mas também pelo vírus da injustiça que existe há muito tempo e nos faz enlouquecer.

Mesmo na pandemia, o Pirei na Cenna está buscando se restabelecer. Só em 2021 nos apresentamos no Festival de Teatro Novo, de forma online, no Teatro Municipal de Niterói em março. Agora em julho, Sérgio Lima e Claudia Simone participaram do 1º Encontro Latino Americano de Estudos Loucos, representando o grupo. E ainda tem mais. Neste mês de agosto, a celebração dos 24 anos do Grupo acontecerá no Teatro Popular Oscar Niemayer, em Niterói, na Mostra Pirei na Cenna: trajetória de uma luta. Para saber mais acompanhe as redes do CTO que em breve será divulgada programação. Nessa mostra queremos nos mostrar sem medo de ser feliz, gritar o nosso direito a loucura e não esconder o que somos, não nos mascarar… mas usando máscara e álcool gel e com todas as pessoas do grupo vacinadas! Parabéns por mais este surto Pirei na Cenna!

SE GOSTOU DO CONTEÚDO, COMPARTILHE!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Teatro das Oprimidas

Teatro das Oprimidas realiza Maratona Cultural do Piscinão

O projeto Teatro das Oprimidas promove de 18 a 21 de outubro a Maratona Cultural do Piscinão, realizada em Ramos no conjunto de favelas da Maré. A maratona conta com uma série de atividades culturais gratuitas em parceria com o Centro Municipal de Saúde Américo Veloso.

Leia mais »
Parcerias

Centro de Cidadania LGBT Gilmara Cunha

A Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos (SEDSODH), através do Programa Rio Sem LGBTIfobia e em parceria com o Grupo Conexão G, inaugura o primeiro centro de cidadania LGBT em uma favela, o Centro de Cidadania LGBT Gilmara Cunha – Capital III, na Maré.

Leia mais »