Gabriel Horsth

Gabriel Horsth

coord. de comunicação

Geo Britto lança livro sobre Augusto Boal e o Teatro do Oprimido

O livro está disponível para venda na internet

Data

Na cena do teatro político, Augusto Boal é uma figura incontornável. Suas técnicas e métodos, consolidados no Teatro do Oprimido, têm influenciado gerações de artistas e ativistas ao redor do mundo. Geo Britto, curinga formado por Augusto Boal e membro da Escola de Teatro Popular-Rio, lança luz sobre os bastidores e a trajetória que culminaram na criação de um teatro genuinamente brasileiro.

Você pode adquirir o livro no site da editora Mórula, acesse aqui.

Apresentação: De onde vieram as técnicas e métodos sistematizadas por Augusto Boal na poética do Teatro do Oprimido? Qual a relação entre o período de Boal como diretor e um dos dramaturgos do famoso grupo Teatro de Arena e a fase posterior do elaborador do Teatro do Oprimido? Estas indagações circularam por gerações de curingas do Teatro do Oprimido e pesquisadores, e passaram a ser investigadas com maior vigor a partir do novo fôlego do teatro político brasileiro desde meados da década de 1990, período em que Geo Britto conhece Augusto Boal e passa a integrar o Centro do Teatro do Oprimido (CTO-Rio).

Este livro, escrito por um dos mais antigos e experientes curingas brasileiros, nos fornece informações novas sobre métodos que praticamos há décadas. Nos termos do autor, a pesquisa nos apresenta um potente trabalho de “arqueologia para tentar entender como a estética marxista, os debates, a teoria, a prática e os momentos históricos vividos por Boal influenciaram a formação, a construção e a sistematização do Teatro do Oprimido”. Se trata de um trabalho investigativo de fôlego: o autor analisa de forma dialética as providências formativas de Boal em conexão com o mundo convulso em que viveu, do pós II Guerra Mundial, da Guerra Fria, do rescaldo stalinista de parte da esquerda brasileira, da ascensão do movimento negro e da luta por direitos civis, dos ciclos de ditadura que levou Boal ao exílio, das reconexões dos elos entre classes com a redemocratização.

Geo Britto foi buscar na história e na teoria elementos centrais para a pesquisa sobre a prática do teatro como arma de luta, formação e diversão, hoje tão necessária em momento em que a mercantilização ameaça empacotar também o Teatro do Oprimido na vitrine dos recursos de autoajuda, das técnicas para melhorar as relações entre patrões e empregados, ou como método lúdico para interação entre palco e plateia. Com rigor marxista, Geo comprova nesta obra que o Teatro do Oprimido descende de outra tradição, aqui de forma pioneira delineada: a da luta anticapitalista e da tradição dialética da práxis.

A contribuição para a história do teatro brasileiro e latino-americano é imensurável: muitos elos são explicitados, com quem e como Boal aprendeu e em que contexto. Certamente, as consequências destas informações serão exploradas pelos inúmeros coletivos e redes de artistas militantes que desejam se organizar para a luta social, por meio do teatro, e para os grupos de pesquisa que desejam entender o lugar de Augusto Boal no teatro brasileiro, latino-americano e mundial.

Por Rafael Villas Bôas

outras
notícias